Tratamentos

Tratamentos cirúrgicos

A cirurgia bariátrica

Atualmente existe um grande número de procedimentos cirúrgicos considerados bariátricos, como já mencionamos anteriormente, desconfie logo daqueles que prometem verdadeiras curas, sem o menor esforço do paciente.

Todas as técnicas existentes hoje são passíveis de serem realizadas por VIDEOLAPAROSCOPIA, via de acesso na qual são realizadas pequenas incisões de 1,5cm, através das quais introduzimos uma câmera e pinças, para que possamos realizar a cirurgia observando e manipulando os órgãos internos através de um monitor. Essa é indiscutivelmente, melhor que a técnica de CORTE (LAPAROTOMIA), uma vez que teremos menos dor no pós operatório, menor chance de infecção na ferida cirúrgica, menor chance de hérnias, retorno mais precoce ao trabalho e suas atividades habituais, além de um melhor resultado estético.

Gastrectomia sleeve

Trata-se de uma nova técnica, regulamentada em nosso país há pouco menos de 1ano e consiste em modificarmos a dinâmica do alimento no estômago, causarmos uma saciedade precoce e retirarmos o hormônio da fome (Grelina). Fazemos isso através da retirada de uma parte do estômago, com o grampeamento vertical, retirando parte do corpo e praticamente todo o fundo gástrico (cerca de 80% de todo estômago).

É realizado por vídeolaparoscopia, com anestesia geral e 3 dias de internação hospitalar. Já em casa manterá uma dieta liquida balanceada, orientada por nossas nutricionistas, por 4 semanas e só então irá reaprender a se alimentar com sólidos, através de hábitos saudáveis. A perda de peso fica por volta de 30% do peso inicial, ficando estável com aproximadamente 16meses, cerca de 80% dos pacientes mantém a perda de peso em 5 anos, aqueles que voltam a engordar fatalmente não modificaram seus hábitos.

Prós:

  • É uma cirurgia mais simples e com menor índice de complicação
  • Não envolve o uso de corpos estranhos ao organismo.
  • Não ocorrem deficiências vitamínicas ou protéicas, pois o intestino delgado (órgão que os absorve) está
  • Não há síndrome de dumping, pois o piloro, que regula o esvaziamento gástrico não desviado, com em outras técnicas.
  • É uma cirurgia que pode ser complementada em um outro tempo, com um componente desabsortivo, caso não haja o resultado esperado.

 

Contras:

  • É um procedimento irreversível 
  • Não temos um acompanhamento a tão longo prazo como o by pass gástrico
  • Poucos cirurgiões realizam.
  • Não cobertura de planos de saúde

By pass gástrico em y de roux

Essa técnica foi utilizada pela primeira vez, com objetivo de perda de peso em 1967, uma vez que foi observado de pacientes que eram submetidos a cirurgia de gastrectomia por úlceras, perdiam peso. Nesses 45 anos, a técnica evoluiu muito, com diminuição drástica no tempo cirúrgico, nos riscos, mortalidade e complicações; principalmente após 1994, quando se iniciou a era do by pass gástrico videolaparoscópico (cirurgia menos invasiva, que não mais utiliza grandes cortes e sim pequenos portais de 1,5cm). Atualmente é a cirurgia considerada padrão ouro no mundo todo, sendo mais de 70% de todas as cirurgias realizadas.

Os princípios da cirurgia consistem em dividirmos o estômago em duas partes, através de grampeadores, ficando 1 deles muito pequeno (50ml), o qual será o estômago utilizável e o outro com quase a totalidade do estômago anterior, ficando inutilizado, apenas produzindo suco gástrico e enzimas digestivas. Com isso provocamos uma saciedade com uma pequena quantidade de alimento e evitamos que esse alimento chegue ao fundo gástrico, provocando a produção da grelina (hormônio da fome), ou seja o paciente não terá mais a fome “física”.

Além disso fazemos um desvio no intestino delgado, para que as enzimas digestivas encontrem com os alimentos aproximadamente 2 metros abaixo, que ocorria anteriormente, assim o organismo deixará de absorver parte das calorias ingeridas e o íleo (parte final do intestino delgado) produzirá uma quantidade aumentada de incretinas (hormônios que atuam melhorando e muitas vezes curando o diabetes e a sídrome metabólica).

Prós:

  • Esta técnica apresenta ótimos resultados, com perda de peso significativa e duradoura de 40% do peso. Estudos realizados com pacientes operados há 20 anos demonstram controle do peso e das doenças associadas em mais de 80% dos casos.
  • Ainda em relação ao controle das doenças associadas à Obesidade, os resultados são excelentes. Cerca de 95% dos diabéticos e 75% dos hipertensos obtém a cura destas doenças ou, no mínimo, uma importante melhora.
  • Estudos comparativos das diversas técnicas de cirurgia demonstraram que a técnica By Pass Gástrico em Y de Roux, obteve os melhores resultados em relação a qualidade de vida pós-operatória, conciliando manutenção da perda de peso ao longo prazo com baixos índices de complicações.
  • As alterações nutricionais decorrentes desta técnica são raras e quando ocorrem têm tratamento bem conhecido pelos médicos.

 

Contras:

  • O bom resultado da técnica de By Pass Gástrico em Y de Roux exige importante mudança de hábitos do paciente, principalmente, em relação a maneira se alimentar.
  • Exige que o paciente coma devagar, pequenas porções de alimento e mastigue muito bem.
  • Assim como as demais técnicas operatórias exige seguimento médico e suplementação vitamínica pelo resto da vida.